22 de julho de 2015

Era cilada! Veja perrengues de viagem que todo turista está sujeito a pagar


Fonte:  UOL  Oliveira e AmaMarina nda Sandoval - Data: 21/07/2015

Viajar é divertido, mas, para tudo dar certo, é necessário que o turista monte um cuidadoso planejamento antes de cair na estrada. Aeroportos, aviões, hotéis, paisagens novas, pessoas desconhecidas: a aventura que vem embutida nesse processo está sempre propensa a dar errado e estragar o passeio dos sonhos de qualquer um. 

Para evitar que suas férias (ou um simples feriado) se transformem em um pesadelo, o UOL Viagem conversou com especialistas que dão dicas sobre como se preparar da melhor maneira possível para uma viagem. Veja abaixo os possíveis perrengues e micos que podem ocorrer em uma jornada e saiba como fugir deles.

Getty imagens
Getty imagens

Chegar ao hotel e descobrir que não é tudo aquilo que o site mostra

Não raramente, os hotéis divulgam no site oficial fotos da inauguração do estabelecimento, que pode ter acontecido há décadas. E quando você chega lá, se depara com um cômodo que clama por uma reforma (rejuntes encardidos, cheiro de mofo, carpete manchado...). Para fugir dessa cilada, é preciso buscar informações de turistas que estiveram no local recentemente. Blogs e sites de avaliação, como o TripAdvisor, também podem ajudar nessa pesquisa. Assim como um agente de viagens.
Getty images
Getty images
Deixar para ver o hotel no local e descobrir que não há vaga 

Nos meses de férias (como julho, dezembro e janeiro), nos feriados e festas comemorativas, o fluxo de pessoas é muito maior em lugares turísticos. Não se planejar para esses períodos e escolher na hora onde vai se hospedar é pedir para correr o risco de ficar na rua. Mas é possível contar com uma certa flexibilidade, sem passar por perrengue. "O ideal é fazer uma estimativa de chegada ao destino e reservar hotéis que não cobram taxa de cancelamento. Assim, você não perde dinheiro e também não tem de se preocupar com a falta de lugar para dormir", explica Marianna Buchalla Pacca, criadora do site Segredos de Viagem.
Getty images
Getty images

Descobrir que, na semana seguinte à compra, a passagem está com desconto

Tarifas aéreas são flutuantes. Por isso, essa situação pode acontecer até com os turistas mais experientes. Inevitavelmente, você terá de escolher um lado: pode optar por ser prevenido e comprar as passagens com antecedência e taxas menores, sob o risco de perder promoções relâmpagos. A outra opção é comprar em cima da hora, para aproveitar promoções, mas também assumindo o risco de ter que pagar mais caro do que meses atrás. "Em geral, o primeiro semestre do ano é o melhor para as compras. No segundo, além dos feriados, há os meses de férias", diz a consultora de viagens Maristela Gomez, proprietária da Cinqtours. Ativar alertas de promoções em sites de venda é válido para buscar o melhor preço, assim como ser flexível com as datas. "Às vezes, apenas mudando um dia, os preços caem drasticamente", diz Marianna Buchalla Pacca, do site Segredos de Viagem.
Getty images
Getty images

Carregar todo o dinheiro na doleira

Imagine: você está em frente ao garçom, que espera para receber o valor da conta. Daí, se vê obrigado a levantar a blusa e tirar o dinheiro de dentro da calça para pagá-lo. A bolsinha discreta para dinheiro é realmente uma ótima pedida para carregar grandes quantias em trajetos aéreos e em deslocamentos dentro da cidade. Mas, uma vez no destino, guarde o dinheiro no quarto, dentro da mala fechada com cadeado ou no cofre. "Antes de sair, tente prever quanto gastará e coloque a quantia no bolso da frente da roupa", diz o consultor de viagens Eduardo Gomes Junior, criador do site Agentes de Viagens.com. Um dinheiro reserva pode ser levado na doleira. Mas uma dica: quando precisar acessá-lo, prefira ir até um local reservado para resgatar as notas. "Outra sugestão é levar um cartão pré-pago e um pequeno valor em dinheiro no bolso mesmo, apenas para gastos miúdos", diz Junior.
Getty images
Getty images

Exagerar nas malas e não conseguir carregar sozinho a própria bagagem

Ter dificuldades para pegar as malas na esteira de bagagem, não conseguir fazer trajetos de trem ou ter que pedir um carro extra só para a bagagem são alguns dos apertos que você pode passar se não trabalhar o desapego ao viajar. Os especialistas recomendam que você saia do país com uma mala média. "Se a intenção é comprar, organize sua viagem de modo que a cidade das compras fique para o final. No penúltimo e último dia da viagem, você pode adquirir as malas grandes e encher de presentes e lembranças", diz Eduardo Gomes Junior. Se já tiver uma mala grande e não quiser comprar outra, você também pode levar uma mala menor dentro dela e, na volta, despachar as duas.
Getty images
Getty images

Ter a mala extraviada e passar os primeiros dias do passeio sem roupa

Você pode etiquetar a bagagem, colocar fitas coloridas ou mandar plastificar. Nada disso vai acabar com a chance de sua mala ser perdida no meio do trajeto. O que funciona é prevenir-se para que o extravio não acabe com os seus primeiros dias de passeio. Para tanto, tenha sempre na mala de mão duas trocas de roupas, incluindo peças íntimas. Remédios e itens básicos de higiene (com até 100 ml) também podem estar nessa bagagem. "Se estiver viajando com mais pessoas, distribua algumas peças pelas outras malas. Assim, caso uma extravie, você ainda terá as demais", explica Maristela Gomez, proprietária da Cinqtours.
Getty images
Getty images

Usar o cartão pré-pago para registro no hotel

Sem cartão de crédito, alguns turistas podem precisar usar o "travel money" para fazer check-in no hotel, que exige uma garantia de quitação, caso sejam feitos gastos lá dentro. O mesmo acontece quando você vai alugar um carro, que pode ser danificado durante o uso. No entanto, ao fazer isso, o cartão pré-pago fica bloqueado, ou seja, você só poderá usar aquele dinheiro quando fizer o check-out no hotel. Melhor, então, é se comunicar com o hotel antes da chegada e perguntar quais outras opções você tem. Alguns aceitam o pagamento em dinheiro, que será devolvido ao fim da estadia.
Getty images
Getty images
Não falar ou entender nada na língua local 

Não é que você precise aprender a falar árabe apenas para viajar a Dubai. Ou japonês, se decidir visitar Tóquio. Mas ter, no mínimo, um conhecimento básico de inglês (língua falada na maioria dos países do mundo) é essencial. Já imaginou se precisar pedir ajuda urgente e não conseguir se comunicar com os locais? Sem contar que, falando a língua nativa, você será muito mais bem recebido no destino. "Quem já teve a experiência de conhecer um estrangeiro no Brasil, com certeza abriu um sorriso ao vê-lo arriscar algo em português. O mesmo acontece quando viajamos para outros países", diz Marianna Buchalla Pacca, criadora do site Segredos de Viagem. "Olá", "obrigado", "bom dia", "quanto custa isso?", "onde fica o banheiro?" e "como eu chego em tal lugar?" são expressões que valem a pena aprender.
Getty images
Getty images

Chegar um dia antes ou um dia depois no aeroporto para embarcar

Esse mico é mais comum do que se imagina, especialmente se o horário do voo for durante a madrugada. Alguém que deve sair à 0h do dia 16, pode não perceber que deverá chegar ao aeroporto ainda no dia 15. "Para todos os efeitos, não existe 1h da tarde e sim 13h. É preciso se adaptar ao formato 24 horas do relógio", recomenda Eduardo Gomes Junior, do site Agentes de Viagens.com. Fusos horários também podem confundir. "A passagem está sempre em horário local. O horário da saída é sempre de onde o voo parte. O de chegada já considera o fuso do destino final", explica Maristela Gomez, proprietária da Cinqtours.

Seguro Viagem
Clique no bannser e contrate seu seguro viagem on-line