30 de julho de 2014

Super Simples : Presidenta Dilma deve ser pressionada para sancionar o projeto de lei. Corretores devem manter a mobilização

Fonte: Sincor-RS - Data: 29/07/2014 

Como já sofremos com vetos parciais sobre o mesmo tema em três vezes anteriores, por pressão de burocratas do Ministério da Fazenda, é fundamental que a categoria mantenha a mobilização e peça à presidência a manutenção do texto integral, que nos coloca na Tabela 3.

MOBILIZAÇÃO NACIONAL

A mobilização dos corretores é fundamental. Foi graças à mobilização que tivemos unanimidade no Senado e maioria esmagadora na Câmara – onde apenas nove parlamentares votaram contra.

Cada Corretor de Seguros deve fazer sua parte, cobrando agora do Poder Executivo que sancione o Projeto de Lei.

Envie e-mails de reivindicação para os seguintes endereços:

sicplanalto@planalto.gov.br – Secretaria Geral da Presidência da República casacivil@planalto.gov.br – Casa Civil da Presidência da República gabinete.df.gmf@fazenda.gov.br – Gabinete do Ministro da Fazenda, Guido Mantega

UNIÃO E FORÇA

Vamos mostrar a união e a força da categoria dos Corretores de Seguros. Afinal, somos 72 mil profissionais formadores de opinião, que somados a familiares e funcionários representamos mais de 300 mil votos. Se cada corretor influenciar apenas 250 clientes, falamos de respeitáveis 18 milhões de votos !

A partir de agora, temos um lema, ou mais que isso, um mantra que deve ser propagado nas redes sociais, nas conversas com amigos e familiares e nos contatos com clientes e outros relacionamentos profissionais: “PRESIDENTA, PELO VOTO NÃO VETE”.

Vamos iniciar essa corrente por todo o nosso País. Uma corrente contra o veto. Temos que nos unir para não perdemos mais esta oportunidade.

Não se omita, participe.

TEXTO MODELO

Os corretores devem inundar as caixas de e-mails da Presidência, da Casa Civil e do Ministro da Fazenda com pedidos de sanção presidencial sem vetos. Abaixo, um texto sugestão para estes e-mails. Cuidado para usar o endereçamento correto para cada destinatário. E assine no final do texto com seu nome ou da sua corretora.

Exma. Sra. Presidenta da República, Dilma Rousseff e-mail sicplanalto@planalto.gov.br

Exmo. Sr. Ministro da Fazenda, Guido Mantega e-mail: gabinete.df.gmf@fazenda.gov.br

Exmo. Sr. Ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante e-mail: casacivil@planalto.gov.br

PREZADOS SENHORES

Desde 16 de julho, após o Senado ter aprovado POR UNANIMIDADE o PL do SuperSimples, sem qualquer alteração no texto vindo da Câmara, onde já fora construído com imenso trabalho e negociação, finalmente fazendo justiça tributária aos milhões de micro e pequenos empreendedores deste país, todas as atenções se voltaram para o próximo passo dessa caminhada: a sanção presidencial, que deve acontecer em até 15 dias.

Eu quero falar-lhes como cidadão eleitor mas, principalmente, como um micro empreendedor Corretor de Seguros. Sim, eu sou um dos milhares de pequenos corretores de seguros que empregam mão de obra em suas comunidades, que prestam um serviço pessoal e atencioso aos consumidores de seguros. Ao contrário do que pensam muitos colegas seus da Fazenda, as corretoras de seguros não são parte do “sistema financeiro”, não são “corretoras de valores” nem ”bancos”. Nós somos micro empreendedores, empresas familiares, com atuação local, regional, cujo trabalho é bem atender ao consumidor orientando-o e defendendo-o.

Poderão dizer: “ – mas o Banco do Brasil tem uma gigantesca corretora de seguros que atende em todo o país e faturam milhões!” Sim, isso é verdade. Mas isso é a exceção, não a regra. Não tomem a operação do Banco do Brasil como parâmetro. Até porque eles faturam tanto que jamais seriam amparados por qualquer tratamento tributário destinado a micro empresas…

Quero alertar que em oportunidades anteriores, os Corretores de Seguros foram vetados arbitrariamente, numa evidente perseguição dos burocratas da Receita e da Fazenda que alegavam que “perderiam” receitas se os corretores de seguros fossem incluídos no simples… fruto certamente da visão equivocada de que Corretoras de Seguros eram tubarões do mercado financeiro… fomos vítimas de um bullying fiscal e tributário injustificável.

Nossa categoria securitária é uma das mais injustiçadas que eu conheço. Somos tratados como se fôssemos grandes empresas do setor financeiro, grandes bancos quando na verdade nós somos micro e pequenos empreendedores, empresas familiares.

Eu espero que tal absurdo não se repita. Que agora, com uma Presidenta e com os dois Ministros (da Casa civil e da Fazenda) com formação acadêmica na área econômica, o discernimento e o bom senso os iluminem a compreender que o Projeto de Lei deve ser sancionado sem vetos.

TODAS as entidades empresariais se uniram em todo o país para a aprovação na Câmara e no Senado, e nós micro e pequenos empresários reconheceremos nas urnas os Deputados e os Senadores que tiveram a sapiência de ficar ao lado dos micro empreendedores deste país.

TODAS as entidades empresariais continuarão unidas, esperando pela sanção Presidencial SEM VETOS, e reconheceremos a atitude correta e justa da Presidenta nas urnas em 5 de outubro próximo.

Vamos mostrar a união e a força da categoria dos Corretores de Seguros. Afinal, somos 72.000 profissionais formadores de opinião, que somados a familiares e funcionários representamos mais de 300 mil votos. Se considerarmos nosso poder de influência sobre apenas 250 clientes cada um, chegamos a respeitáveis 18 milhões de votos. Portanto, respeito.

A partir de agora, temos um lema, ou mais que isso, um mantra que será propagado nas redes sociais, nas conversas com amigos e familiares e nos contatos com todos os nossos clientes e outros relacionamentos profissionais: “PRESIDENTA, PELO VOTO NÃO VETE”.

Portanto, contamos com a sanção presidencial sem vetos, numa demonstração de JUSTIÇA FISCAL E TRIBUTÁRIA e de estímulo ao empreendedorismo, aos micro empresários que tantos empregos geram.

Atenciosamente, (corretor de seguros)